Foto: Divulgação/COB/Jonne Roriz

Além de conquistar medalhas e acumular feitos para o esporte brasileiro nas Olimpíadas de Tóquio, Rebeca Andrade já é uma das estrelas da ginástica artística nesses Jogos. Sem Simone Biles nas competições no Japão, o favoritismo de várias provas ficou em aberto. O salto, uma das especialidades da brasileira e também da americana, foi uma delas. Fora de ação, Biles inclusive tem gritado em apoio a Rebeca da plateia em Ariake, no centro de competições da modalidade.

A brasileira entrou como favorita neste domingo (1º) e sabia que estava em condições de arriscar dois saltos difíceis. Mesmo com uma execução abaixo do nível que gostaria, não chegou a ser muito ameaçada na disputa pelo ouro. A serenidade para brilhar entre as maiores em sua segunda participação olímpica tem impressionado. Como se já estivesse acostumada a subir ao pódio, Rebeca ainda orientou a terceira colocada, a sul-coreana Yeo Seojeong, de que ela já poderia colocar a medalha de bronze no pescoço.

Medalhista de prata da prova, a americana MyKayla Skinner não mostrou incômodo quando perguntada se poderia falar sobre a brasileira que a superara. A atleta contou que no individual geral, em que Rebeca foi medalhista de prata na última quinta (29) e os EUA tinham duas atletas na disputa (a medalhista de ouro Sunisa Lee e Jade Carey), ela e Biles estavam torcendo também pela brasileira. “Simone e eu estávamos sentadas lá em cima, torcendo por ela a cada passo. Ela é uma ginasta incrível e é tão legal poder vê-la, poder vir para o Rio… desculpe, Rio não, vir para Tóquio e poder finalmente competir e mostrar ao mundo do que ela é feita”, Skinner disse à Folha, confundindo as sedes olímpicas de 2016 e 2020.

“Até mesmo assisti-la nas finais do salto foi super legal. O Cheng [nome de um salto que Rebeca executou] dela é lindo e incrível. O time dos EUA sempre trouxe o ouro para casa, então é muito divertido ver algumas dessas outras garotas que trabalharam tanto finalmente conseguirem a chance de brilhar”, completou Skinner. Chamada de “vovó” pelas companheiras por sua experiência na seleção americana, a atleta de 24 anos conquistou sua primeira medalha olímpica e deverá se aposentar após Tóquio.

“Com dois saltos altos que fizeram movimentos complicados e desafiadores da gravidade parecerem simples, Rebeca Andrade venceu a final do salto, trazendo ao Brasil sua primeira medalha de ouro na ginástica feminina”, escreveu no The New York Times a jornalista Juliet Macur, especializada na cobertura do esporte e enviada ao Japão.

Apesar de toda a badalação, que percebe pelo celular, Rebeca afirmou por enquanto permanecer focada nas competições. Nesta segunda-feira (2), ela fará seu último ato na final do solo, às 5h57 (de Brasília). “Nas redes sociais está bombando, a galera ficou bem feliz, mas na minha cabeça estou a mesma de quando saí do Brasil. Totalmente concentrada, sabendo as coisas que importam, o que eu preciso fazer, para depois pensar em tudo isso que está acontecendo. Gente que nem conheço torcendo por mim, isso é incrível, mas estou bem centrada.”

Deixe seu comentário
FONTEFolha Press
COMPARTILHAR